CLUBE PARANAENSE DE CICLISMO DE MONTANHA

Brasileiro de XCO: atletas equipados com SRAM 2X 10

Novo sistema de transmissão da SRAM com 20 velocidades garante maior eficiência da pedalada para os competidores no Brasileiro de XCO neste final de semana em Campo Largo (PR)


Os Ciclistas Roberta Stopa, Ricardo Pscheidt, Sherman Trezza, Hugo Prado Neto dividem algo em comum, têm bicicletas equipadas com o novo sistema de transmissão SRAM 2X10 (20 velocidades). O novo conceito foi lançado no início de 2009 quando a SRAM anunciou o primeiro grupo para mountain bike com 10 velocidades, o SRAM XX. Em menos de 4 meses, o grupo com tecnologias 2X10 já colecionava 3 vitórias em campeonatos mundiais, um título geral em Copa do Mundo e diversas vitórias em etapas da Copa do Mundo.

Em Abril de 2010, durante o Sea Otter Classic, foram anunciados oficialmente outros 3 grupos 2X10, sendo eles X.7. X.9 e X.0. Seguindo o exemplo de sucesso do grupo SRAM XX, estes novos grupos unem tecnologias das outras marcas da companhia (Avid e Truvativ) e são formados por câmbio traseiro (com opção de braço curto, médio ou longo), câmbio dianteiro (em mais de 20 configurações para todo tipo de quadro), passadores tipo gatilho (Trigger), pedivela, freios a disco hidráulicos, cassete, corrente e cubos (com exceção do grupo X.0).

A SRAM acredita que uma gama completa de relações pode ser alcançada com menos marchas (20 contra 27 dos sistemas convencionais). Os benefícios que o SRAM 2X10 oferece – gama completa de relações utilizáveis, menor peso, passagem de marchas mais rápida e macia em todos os terrenos – estão sendo apreciados por atletas de todas os níveis e modalidades, não apenas profissionais do cross country.
A ciclista mineira Roberta Stopa, atleta da Equipe Specialized, acredita que o "2X 10 é uma dupla vantagem. O novo equipamento é de fácil manuseio, leve, preciso e se tiver força nas pernas poderá fazer o percurso apenas com uma coroa, deixando o equipamento assim mais leve ainda", comentou Stopa que busca o título nacional no próximo final de semana. " Sobre a pista em que vamos competir em Campo Largo onde será realizado o Brasileiro de XCO, o 2X será fundamental e indispensável. Um percurso sem subidas íngrimes, ou seja, com a relação de coroas 26-39 e cassete 11-36 é o ideal para esse percurso. Se estiver seco a possibilidade de usar apenas a coroa 39 com o cassete de 10 velocidade será colocada em prática", analisa. "Eu recomendo e assino em baixo", finalizou Roberta Stopa

Já o ciclista Sherman Trezza de Paiva, Equipe Jamis Crankbrothers destacou algumas diferenças e vantagens do novo sistema 2X 10: "Na minha opinião, comparado com o sistema 3X 9 (velocidades), temos algumas diferenças e muitas vantagens no novo conceito 2X 10 da SRAM. Eficiência e precisão são os grandes atrativos da nova transmissão. Os trocadores e câmbios oferecem uma troca de marcha rápida e precisa, é o famoso sistema Exact Actuation da SRAM. O cassete completa essa troca, com 10 velocidades o número de dentes de uma catraca para outra muda uniformemente, isso faz com que nas trocas não se perca a rotação. A catraca de 36 dentes vem para suprir a falta da coroa pequena no pedivela", disse.

"Outra vantagem e na minha opinião uma das principais, é que com as coroas menores (42/28 ou 39/26) pode-se “cruzar” todas as marchas, isso em muitas subidas no cross country ajuda muito, pois o piloto em vez de optar pela coroa menor coloca nas catracas maiores fazendo com que o ciclista não perca a rotação e o embalo em que está. Sem contar o baixo peso que é outro atrativo", concluiu Sherman que é o atual campeão brasileiro de maratona na categoria sub-23.

Para o treinador da OCE-Treine.net e ciclista, Hugo Prado Neto, da Equipe Specialized desde 2005, considerado especialista em provas longas, como Cape Epic, IronBiker Itália, entre outros, afirma que o novo sistema da SRAM aumentou seu desempenho:

"Eu melhorei muito a minha performance esse ano por causa do SRAM XX. A principal vantagem do sram xx na minha opinião e na ajuda na eficiência do sistema neuromuscular do atleta. A troca de marcha exagerada confunde o sistema neuromuscular do atleta, obrigando o mesmo a ser menos eficiente o que fará que esse atleta fadigue mais rápido e perca performance", disse Hugo que é primeiramente um estudioso em treinamento esportivo de alto rendimento.

"Outro detalhe e o peso dos componentes do sram XX. Não sou muito fresco com peso, porque acho que tem que ter uma combinação ideal, tem que ser leve saudável a bike. Aquelas bikes tunadas, com um parafuso na caramanhola não e coisa de atleta profissional, mas usando uma full e abaixando o peso dela bastante esse ano com o sram XX minha performance melhorou e muito", concluiu Hugo que comemora 15 anos de carreira em 2010.

Para encerrar, vale lembrar que para aqueles cujas necessidades não são atendidas por uma relação 2X10, a SRAM oferecerá a opção de relação 3X10, mantendo o emprego das mesmas tecnologias das versões 2X10.

Saiba mais sobre o conceito SRAM 2X10 em www.sram2x10.com/

Fonte: Mbikecom / colaboração Proparts

VIA: BIKE ACTION

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

VISITANTES ONLINE

site statistics

TOTAL DE VISITAS