CLUBE PARANAENSE DE CICLISMO DE MONTANHA

CASO LANCE ARMSTRONG - VÍDEO E UCI

AFP PHOTO/HARPO STUDIOS/GEORGE BURNS











Lance Armstrong (e) concede entrevista à apresentadora norte-americana Oprah Winfrey


Armstrong diz que se dopou com EPO, testosterona e transfusões de sangue em sua carreira

Em entrevista ao programa Oprah's Next Chapter, exibido pela primeira vez nesta quinta-feira pela rede OWN e pelo site oficial da apresentadora, Lance Armstrong admitiu que se dopou em todos os sete anos em que ganhou a Volta da França. O ex-ciclista revelou que se beneficiou do uso do hormônio Eritropoietina, conhecido como EPO, de testosterona e de transfusões de sangue para melhorar seu desempenho. 
"Tinha acesso a coisas que melhoravam muito meu desempenho como atleta. Meu coquetel era muito simples. Eu usava um pouco de EPO, transfusões de sangue e testosterona", contou o ex-atleta.
Armstrong foi campeão da Volta da França entre 1999 e 2005. Mesmo antes da confissão, o ciclista americano teve seus títulos cassados. Segundo ele, a ineficácia do controle de doping na época o deixava sem medo de ser flagrado.
“Os testes mudaram muito. Antigamente, eles não iam até sua casa, não iam no seu treino. Agora, o ênfase não é nas competições, o que é certo. Em 1999, não existia teste fora das competições. Então, eu não ia ser pego, porque estava limpo nas corridas. Duas coisas mudaram: os testes fora da competição e o passaporte biológico, que realmente funcionou”, opinou.
Após a confissão, o ex-atleta afirmou que julga ser humanamente impossível vencer a Volta da França sete vezes sem o uso de doping e que, quando voltou à competição, obtendo a terceira colocação em 2009 e a 23ª em 2010, não fez uso de nenhuma substância proibida.
Armstrong também confirmou ser verdade a história contada por Emma O’Reilly, que integrava a equipe médica do americano em 1999 e que revelou que uma prescrição médica foi forjada na época para encobrir um caso de doping do ex-ciclista.
Quando questionado sobre a popularidade do doping no ciclismo, Armstrong fez questão de dizer que ninguém era forçado a usar as substâncias e que não conhecia ou treinava com gente o bastante para poder afirmar o quanto a utilização é difundida na modalidade. No entanto, apesar de assumir a culpa, o americano fez uma espécie de ressalva em relação a Michele Ferrari.
A produção do programa exibiu um VT com Armstrong dizendo que o fisiologista italiano jamais havia sugerido o uso de substâncias ilegais. O ciclista não fez nenhuma acusação direta, mas afirmou que responderia de maneira diferente a respeito hoje.
Durante a entrevista, Armstrong afirmou ainda que a imagem de herói construída em torno dele fez com que ele relutasse em vir a público para falar a verdade.
"Essa é a melhor pergunta. Não sei se tenho uma resposta. Agora, é tarde demais para mim e para a maioria das pessoas. Eu construí uma grande mentira", disse o ex-ciclista, quando questionado sobre os motivos que o fizeram esconder o doping.
"Eu sei a verdade, sei que a verdade não é o que eu disse. A história foi tão perfeita por tanto tempo. Você supera uma doença, vence a Volta da França sete vezes, tem um casamento perfeito... é a história perfeita", completou o americano, que teve câncer testicular em 1996, antes de emplacar seus títulos na Volta da França. 
ASSISTA O VÍDEO DA ENTREVISTA


Posicão UCI



2013/01/18

A UCI saúda a decisão de Lance Armstrong, finalmente, vir limpo e confessar ao uso de drogas de melhora de desempenho, na primeira parte de sua entrevista com Oprah Winfrey.

UCI presidente Pat McQuaid disse: "A decisão de Lance Armstrong, finalmente, a confrontar seu passado é um passo importante no longo caminho para reparar o dano que foi causado ao ciclismo e restaurar a confiança no esporte.

"Lance Armstrong confirmou que não houve conluio ou conspiração entre a UCI e Lance Armstrong. Não houve testes positivos que foram cobertos e ele confirmou que as doações feitas à UCI foram para ajudar na luta contra o doping.

"Foi perturbador vê-lo descrever um rosário de crimes, incluindo entre outros dopantes ao longo de sua carreira, levando uma equipe que dopado, bullying, mentindo para todos e produzir uma prescrição retroativa médico para justificar um resultado do teste.

"No entanto, Lance Armstrong também disse acertadamente que o ciclismo é um esporte completamente diferente hoje do que era há 10 anos. Em particular introdução da UCI do passaporte biológico, em 2008 - a primeira federação desportiva a fazê-lo - fez uma diferença real na luta contra o doping.

"Finalmente, nota-se que Lance Armstrong expressou o desejo de participar de um processo de verdade e reconciliação, que gostaria de receber."



UCI Serviços de Comunicação

FONTES: UOL ESPORTE / CASCAVEL BIKERS



ESSE BLOG TEM O APOIO DE








"A EXPERIÊNCIA NO TRATO DE SUA BIKE"

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

VISITANTES ONLINE

site statistics

TOTAL DE VISITAS